Candidatos à presidência se comprometem com o combate ao contrabando

Candidatos à presidência se comprometem com o combate ao contrabando

O Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO) perguntou aos cinco presidenciáveis mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto sobre o combate ao comércio ilegal no Brasil e seus reflexos na criminalidade.

Ciro Gomes (PDT), Fernando Haddad (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (REDE) foram questionados nos últimos meses a respeito de ações a serem realizadas para coibir um dos fatores que provocam o aumento da criminalidade no país. Uma equipe de jornalistas acompanhou programas de governo, sabatinas, entrevistas e debates. Todos os candidatos tiveram 50 dias para responder às questões.

O contrabando causou prejuízos de R$ 146 bilhões ao Brasil em 2017. Além disso, este crime contribuiu para o aumento da violência, uma vez que está intimamente ligado ao crime organizado. Ainda que sejam várias as causas do problema, não há dúvidas de que o comércio ilegal de produtos que cruzam as fronteiras do país ocupa um papel fundamental nesse crescimento. A concorrência do contrabando também afeta a competitividade da indústria brasileira, reduz o número de empregos formais e a arrecadação de tributos.

“Diante de dados alarmantes como estes, achamos que é papel do ETCO conhecer dos postulantes ao cargo de Presidente da República ideias e propostas sobre esse problema que tem relação direta com a Segurança Pública do país”, afirmou Edson Vismona, presidente do ETCO, Instituto de Ética Concorrencial.

Ainda segundo o executivo, a população tem o direito de saber o que pensam os presidenciáveis sobre esses temas. “Os candidatos se comprometem com uma simplificação tributária e o combate ao excesso de regulamentação que prejudica a indústria e o comércio e estimula o aumento da ilegalidade? O que farão para aumentar o controle das fronteiras? Irão fortalecer a Polícia Federal, a Receita Federal, a Polícia Rodoviária Federal e as Forças Armadas para o combate ao comércio ilegal? Apoiarão a revisão da legislação sobre o crime organizado?”, completou Vismona.

Ao responderem a 12 questões elaboradas pelo ETCO, todos se comprometeram a adotar medidas para atacar o problema: controles mais rígidos das fronteiras, simplificação tributária, revisão das leis sobre o crime organizado e fortalecimento de agências regulatórias, entre outras.

Clique aqui e acesse as respostas dos candidatos

Esse informativo eletrônico é uma publicação do ETCO – Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial
Presidente Executivo: Edson Vismona
Gerente Executiva: Andrea Lopes
Conselho de Administração: Presidente: Victório Carlos De Marchi Conselheiros Titulares: Alexandre Kruel Jobim, Jorge Luiz Oliveira, Fernando Bomfiglio Conselho Consultivo: Presidente: Everardo de Almeida Maciel Conselheiros: André Franco Montoro Filho, Aristides Junqueira, Celso Lafer, Ellen Gracie Northfleet, Hamilton Dias de Souza, Hoche Pulchério, João Grandino Rodas, João Roberto Marinho, Jorge Raimundo Filho, Leonardo Gadotti Filho, Luiz Fernando Furlan, Maria Tereza Sadek, Nelson Jobim, Roberto Abdenur, Roberto Faldini, Tércio Sampaio, Theo van der Loo.
Rua Viradouro, 63 – 6º andar- Itaim Bibi São Paulo – SP – tel.: (11) 3078-1716
Textos e edição: Tag Content / Editoração: BZO.

Associados ETCO:
Ambev, Coca-Cola, Pepsi, Sindicom e Souza Cruz.
Colaborador Voluntário: Pernod Ricard.

www.etco.org.br